• logo_pivete.jpg
  • logo_diniz.jpg
  • quilysom.jpg
  • bessa_grill.jpg
  • logo_eletro.jpg
  • tocmix.jpg

Parabéns Celso Soares, Um Quixote Nordestino!

CelsoSoares 11 Site


Neste sábado, 24 de setembro, quem está aniversariando é o produtor do Programa Cantos & Contos, Celso Soares, para que vai a nossa homenagem e a nossa reverência a esse baluarte da divulgação da cultura nordestina por excelência.

Então, mais uma vez vamos lançar mão do belíssimo texto do jornalista, poeta e escritor Ricardo Anísio, intitulado Um Quixote Nordestino, que fala desse sertanejo de Conceição e de sua luta titânica para manter a cultura nos lares paraibanos e em algumas localidades dos vizinhos estados de Pernambuco e do Rio Grande do Norte.

Parabéns, companheiro e todo o suCelso do mundo para você!

Um Quixote Nordestino

Com o programa “Cantos & Contos” o Golias de nome Celso Soares luta em defesa da cultura popular nordestina - Certa vez conversando com Geraldo Vandré ele me chamou a atenção para que eu “nunca deixasse de perceber as coisas aparentemente pequenas”. Segundo o coautor de “Disparada” estaria nelas a grandeza da arte. Nossa conversa teve como mote a poesia de Pinto do Monteiro, paraibano genial. Pois bem, eu agora chamo a atenção dos senhores para Celso Soares. Sim, mas quem é esse cidadão? É um abnegado Don Quixote contemporâneo lutando contra os moinhos da alienação.

Celso tem dois Sancho Pança, que são Raimundo Nonato e Nonato Costa, ou Os Nonatos, como assinam suas carreiras artísticas. Mas é para Celso que quero chamar a atenção. O programa “Cantos & Contos” é uma dessas raridades perdidas pelo Brasil consumista, Brasil dos arremedos, dos alinhavos. Um Brasil que de tão grande perdeu-se de vista. Brasil sem retrovisor e sem espelho.

“Cantos & Contos” vai ao ar todas as semanas (agora pela TV Correio) e seus shows de gravação têm se constituído em shows memoráveis, aonde a cultura nordestina encontra plumas para se aninhar. Por lá passaram quase todas as grandes figuras da música e da poesia desse Nordeste nem tão independente como queriam os cantadores Ivanildo Vilanova e Severino Feitosa.

Para Celso Soares o Brasil é o Nordeste. E não o venham acusar de xenófobo. Ele apenas quer fazer carinhos em sua aldeia, e sua aldeia é esse Nordeste de riqueza cultural inesgotável e sem parelha. Os matizes culturais deste país brotaram no Nordeste. Até para quem pensa que o Samba é nosso estandarte de exportação, lembramos que segundo o mestre Osvaldinho da Cuíca o Samba nasceu no Nordeste, nos terreiros de Maracatu, nos Cocos de Roda.

Celso Soares é embaixador deste Brasil. Mas, principalmente, desse Nordeste. O Nordeste do baião, do xaxado, do coco, da ciranda, do rojão, do forrobodó. O Nordeste de Luiz Gonzaga e de Sivuca, de Zé Ramalho e Zé do Norte, de José Siqueira e de Elba Ramalho, de Chico César e Genival Cassiano, de Geraldo Vandré e de Orlando Tejo, de Roberta Miranda e de Canhoto da Paraíba, de Vital Farias e de Ariano Suassuna, de Augusto dos Anjos e de José Lins do Rego, de Genival Macedo e de Antônio Barros & Cecéu, de José Américo de Almeida e de Pedro Américo.

Quando tentarmos beber na fonte cristalina e sagrada, bebamos no “Cantos & Contos”. Por ali têm passado alguns desses soldados da arte, que empunham violas de grosso calibre, que agitam bandeiras alvas de algodão, que reverberam o matraquear dos tempos em que homem valente era homem armado. Desarmemos, pois, nossos corações. Desafivelemos o vício midiático que elege farsantes como heróis!    

Texto de do jornalista, poeta e escritor Ricardo Anísio

 

Vídeos

This page require Adobe Flash 9.0 (or higher) plug in.

Estatística

Visualizações de Conteúdo : 140114
Nós temos 4 visitantes online

Facebook



Siga-nos